imagem da noticia
camera

Edilson Rodrigues/Ag. Senado

seta amarela

Política

Senador Marcos do Val pede criação de CPI para investigar institutos de pesquisas eleitorais

Proposta de senador capixaba quer investigar institutos de pesquisa.

Redação Pedra Azul News

10/10/2022 - 00:00:00 | Atualizada em 11/10/2022 - 15:32:08

camera

Edilson Rodrigues/Ag. Senado

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) apresentou na última quinta-feira (6) o requerimento para a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) que investigue os institutos de pesquisas eleitorais. Outros 29 senadores apoiaram a iniciativa do senador capixaba. Para que a criação da CPI avance, o requerimento precisa ser lido no Plenário.

Marcos do Val diz que é preciso apurar as “expressivas discrepâncias” ocorridas “em eleições recentes” entre os números de intenção de voto apresentados em pesquisas eleitorais e os resultados das urnas.

Sendo assim, o senador pretende que as investigações aconteçam sobre as metodologias e sistemas de realização de pesquisas, a partir de elementos sociológicos, matemáticos e demográficos, mas também “político-partidários”. O objetivo é identificar quais institutos operam “fora das margens toleráveis”.

O senador pontua que as pesquisas eleitorais têm impacto sobre a decisão de voto dos cidadãos, e que as variações de prognósticos entre diferentes institutos são “enormes” e indicam “óbvia e inegável existência de desvios inaceitáveis”. Para o senador, é clara a "preferência" de alguns institutos por “determinados candidatos”.

Na lista, 30 senadores, incluindo do Val, assinaram para a criação da CPI. No entanto, seis desses são senadores cujo mandato está no fim, e outros quatro são suplentes que estão substituindo temporariamente os titulares. Dois senadores disputam o 2º turno das eleições em seus estados e, se vencerem, deixarão o Senado. A CPI precisa de 27 assinaturas válidas para ser criada e se o requerimento não for lido antes das partidas desses senadores, as assinaturas deles não constarão para o quórum.

Segundo o Senado Federal, se o requerimento for lido com as assinaturas que tem hoje, a CPI irá atuar até o final de janeiro, quando a atual legislatura chega ao fim. De acordo com o Regimento Interno do Senado, o trabalho de uma CPI não pode ultrapassar a legislatura em que ela foi criada.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) criticou a proposta de Marcos do Val e disse achar “curioso” o esforço pela criação da CPI para tal objetivo e questionou a falta de iniciativa semelhante para investigar corrupção no Executivo.

“Para esclarecer a roubalheira na Educação, eles não se esforçaram assim. Fizeram o possível para adiar a instalação da CPI do MEC [Ministério da Educação] que tem denúncias até de propina em ouro. Investigar a corrupção eles não querem”, criticou.

Já Flávio Bolsonaro (PL-RJ) disse que os institutos de pesquisa “induziram” os eleitores e influenciaram os pleitos “de forma criminosa”.

Fonte: Agência Senado