imagem da noticia
camera

Reprodução

PUBLICIDADE

seta amarela

Mundo

Protesto dos Agricultores se espalha pela Europa, alcançando 11 Nações

Iniciada na França em menos de 20 dias, a manifestação promove atenção mundial.

Redação Pedra Azul News

07/02/2024 - 00:00:00 | Atualizada em 04/03/2024 - 10:25:36

camera

Reprodução

O manifesto dos agricultores europeus com as políticas ambientais ganha força e protestos se estendem por 11 países da União Europeia (UE). O movimento, que teve início na França em 18 de janeiro deste ano, agora ecoa em diversas nações do continente.

Em junho de 2022, teve origem o descontentamento dos produtores rurais quando criadores de gado na Holanda se revoltaram contra a determinação do governo de reduzir o rebanho bovino, alegando razões ambientais. Essa decisão não convenceu os agricultores, que passaram a intensificar os protestos.

Entre as principais queixas dos agricultores estão os altos custos de produção e as rígidas regulamentações ambientais. A retirada de subsídios para o agronegócio local e as negociações em curso entre o Mercosul e a UE também geram desconforto. Os agricultores argumentam que tais medidas comprometem sua competitividade e são vistas como uma resposta aos apelos da agenda ambiental global.

Eles também denunciam o que consideram uma concorrência desleal da Ucrânia e do Brasil, que estariam vendendo produtos agrícolas a preços abaixo do mercado europeu.

Na última semana, os protestos continuaram em Bruxelas, capital da UE, enquanto os líderes do bloco discutiam a situação na Ucrânia. Os agricultores montaram acampamentos em frente ao Parlamento Europeu, realizando manifestações que incluíram arremesso de ovos e bloqueio de vias.

Em 1º de fevereiro, agricultores furiosos cercaram políticos trancados na sede da UE em Bruxelas, intensificando ainda mais o clima de tensão. Na madrugada de domingo, 4 de fevereiro, agricultores espanhóis também se uniram ao movimento, bloqueando uma rodovia em Aragão.

Além de França, Bélgica, Itália, Portugal, Irlanda e Holanda, Suíça, Grécia e Espanha também registraram manifestações. Em Genebra, na Suíça, uma pequena marcha com 30 tratores exigiu melhores salários para os trabalhadores rurais. Na Grécia, agricultores protestaram em Tessalônica, exibindo caixões e bandeiras negras em um ato contra os aumentos nos custos de produção.

Apesar de os protestos terem alcançado 11 países europeus, em menos de 20 dias, 16 países da UE ainda não se juntaram às manifestações.