imagem da noticia
camera

Reprodução

seta amarela

Brasil

Taxa de desemprego pode cair antes do fim do ano

Paulo Guedes considera que estamos em um momento de crescimento importante para economia.

Redação Pedra Azul News

10/08/2022 - 00:00:00 | Atualizada em 10/08/2022 - 09:43:39

camera

Reprodução

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no primeiro trimestre de 2022, 11.9 milhões de pessoas estavam desempregadas no Brasil, uma taxa de desemprego de 11,1%. Atualmente, essa porcentagem está em 9,3% e pode cair ainda mais antes do fim deste ano.

Paulo Guedes, ministro da Economia, disse ontem (9) durante o Congresso da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), em Brasília, que a taxa de desemprego no Brasil está descendo para 8%. “Antes de o ano acabar nós estamos descendo [a taxa de desemprego] para 8%. Vamos terminar o ano com o menor desemprego que já vimos nesses últimos 10, 15 anos”, declarou o ministro.

Segundo o ministro, o Brasil encontra-se em uma situação melhor do que os demais países em desenvolvimento. “O Brasil está em um longo ciclo de crescimento. Criamos um ambiente de negócios que já tem contratos de R$ 890 bilhões. É 10 vezes o que um ministro investe”, explicou.

Na avaliação de Guedes, o País conseguiu atravessar a pandemia sem que a dívida pública estourasse e considera que o Brasil “está de pé”, apesar das dificuldades enfrentadas naquele momento que fizeram com que a dívida bruta do governo geral saísse de 74,3% do Produto Interno Bruto (PIB) para 88,8%, por causa dos gastos extras referentes aos últimos dois anos. Essa taxa tem caído para 78,2% do PIB.

Paulo Guedes disse que empresas europeias manifestaram interessem no Brasil após a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. O ministro considera que o Brasil está crescendo e suas relações comerciais, para além da Europa, também. Guedes afirma que o País comercializa com a Europa, hoje, US$ 7 bilhões, mas com a China, por exemplo, são UR$ 120 bilhões. “Vocês estão ficando irrelevantes para nós”, disse o ministro em relação à Europa.

*Com informações de AgênciaBrasil