imagem da noticia
camera

Crédito: Antonio Augusto/Secom/TSE

seta amarela

Eleições

TSE nega pedido de campanha de Bolsonaro sobre inserções no rádio

Auditoria apontou que houve mais inserções de rádio para Lula que para Bolsonaro.

Redação Pedra Azul News

27/10/2022 - 00:00:00 | Atualizada em 27/10/2022 - 09:30:40

camera

Crédito: Antonio Augusto/Secom/TSE

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, negou na quarta-feira (26) o pedido da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre as supostas irregularidades nas inserções em rádios. Na segunda (24), a campanha do presidente disse que foram 154 mil inserções de rádio a menos que o candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Alexandre de Moraes considerou não haver “qualquer comprovação” em relação ao fato questionado pela campanha de Bolsonaro e pediu, também, que se investigue se houve "crime eleitoral com a finalidade de tumultuar o segundo turno".

Em pronunciamento feito na noite de quarta, Bolsonaro disse que nunca agiu fora da Constituição. “Sempre respeitei a Carta Maior, passei por momentos difíceis, mas figurando em nome da democracia. Nunca se ouviu uma palavra minha para cercear a mídia ou retirar direito de quem quer que seja”, declarou o presidente.

Segundo o presidente Bolsonaro, os técnicos responsáveis pela auditoria constataram que havia um "desbalanço" entre as inserções do PL e do PT. "Foi exigido que apresentássemos provas em 24h. Nós apresentamos provas contundentes. Poucos minutos após nós apresentarmos as provas, um servidor do TSE foi sumariamente demitido. Esse servidor (...) prestou depoimento à Polícia Federal expondo seu ponto de vista e falando até que, de fato, já havia ocorrido há algum tempo. Ele havia participado ao seu chefe imediato e não havia tido nenhuma resposta".

O servidor demitido do TSE declarou ter sido alvo de retaliação por relatos que faz desde 2018 sobre falhas na fiscalização de inserções da propaganda eleitoral gratuita pelas emissoras. Já o TSE alega que as alegações do servidor são falsas e criminosas.

Bolsonaro disse ainda que espera seriedade das autoridades de Brasília. "Eleição se define no voto e aquele que tiver mais votos dentro da urna, deve assumir o cargo", concluiu o presidente.