imagem da noticia
camera

Reprodução

seta amarela

Eleições

Pedido contra os empresários bolsonaristas foi feito por coordenador da campanha de Lula

O senador Randolfe Rodrigues foi o autor do pedido

Redação Pedra Azul News

31/08/2022 - 00:00:00 | Atualizada em 31/08/2022 - 15:06:29

camera

Reprodução

Nessa terça-feira (30) foi publicado no blog do Fausto Macedo, no Estadão, matéria que revelou a origem do bloqueio das contas dos empresários bolsonaristas. A medida contra os empresários bolsonaristas escandalizou todo o país.

Trata-se de uma decisão do ministro Alexandre de Moraes a um pedido formulado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e não da Polícia Federal (PF) como, até então, estava sendo divulgado.

Randolfe Rodrigues, além de candidato à reeleição, é um dos coordenadores da campanha de Lula (PT) na corrida presidencial.

Entenda o caso
O portal Metrópoles divulgou na semana passada um print de um grupo de whatsapp de empresários apoiadores e simpatizantes do presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL).

No print divulgado pelo Metrópoles, um dos empresários teria dito que preferiria um golpe de estado a um terceiro governo Lula. A partir da divulgação desses prints, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão em detrimento dos empresários do grupo.

Além dos celulares retidos, contas de redes sociais foram bloqueadas por ordem do ministro Alexandre de Moraes, a exemplo do que aconteceu com o empresário Luciano Hang. Moraes, ainda, determinou o bloqueio de contas bancárias e a quebra de sigilo dos empresários.

Até então, não se sabia quem teria provocado o Judiciário para tomar essas medidas, até que o Fausto Macedo revelou que o pedido dos bloqueios foi feita a pedido de Randolfe Rodrigues, coordenador da campanha de Lula. Foi a pedido de Randolfe que Alexandre de Moraes bloqueou as contas dos empresários, além das demais medidas drásticas.

Com essa revelação, o Poder Judiciário perde muita credibilidade como guardião da lisura do processo eleitoral, já que toma medidas desproporcionais em prejuízo de importantes apoiadores de um dos candidatos, a pedido do coordenador da campanha do outro.