imagem da noticia
camera

Reprodução

seta amarela

FIlmes

A lição de Carros para os homens

Diversão para toda a família, unindo geraçõe

Redação Pedra Azul News

03/09/2022 - 00:00:00 | Atualizada em 04/09/2022 - 14:21:43

camera

Reprodução

Com filho pequeno outra vez, comecei a revisitar a produção do cinema para o público infantil. Lá em casa, normalmente, gostamos de filmes de criança e a indústria já se deu conta de que este é um fenômeno daqueles que só mudam de endereço: os pais tendem a acompanhar mais ativamente o consumo de cinema junto com os filhos, algo que não ocorria com tanta intensidade em outras gerações.

Prova disso é que muitas falas de personagens de desenho se dirigem aos pais: menções a personagens de desenhos de minha época são algo corriqueiro nos desenhos que meu filho assiste. O filme Carros, de 2006, da Pixar, ilustra um exemplo disso.

A história é uma espécie de fábula na qual os carros exercem o papel que seria dos humanos. Ao invés de uma “humanidade”, temos uma “carridade”. A trama retrata a trajetória do corredor estreante Relâmpago MacQueeen, um dos favoritos na disputa da Copa Pistão.

Os pneus do MacQueen são da marca “Lightyear”, um trocadilho com a marca de pneus “Goodyear” e em clara menção ao personagem Buzz Ligthyear do desenho Toy Story, da Pixar, lançado em 1995. O número do carro MacQueen é justamente o 95também em menção ao ano de lançamento de Toy Story. Lembro-me de ter assistido Toy Story no cinema na companhia de meu saudoso avô Wellington. Assistir com meu filho um desenho com menção a Toy Story cria uma interessante conexão entre as gerações, entre meu filho e o seu bisavô que ele não conheceu em vida.

MacQueen é um jovem talentoso, porém egoísta. Em sua temporada de estreia, demitiu por três vezes o chefe de sua equipe, pois pensava ser autossuficiente, não precisava de ninguém para nada.

Sua petulância não durou muito. As peripécias da vida acabaram por empurrá-lo para uma cidadezinha chamada Radiator Springs, no distrito de Carburator, localizada na Rota 66. Lá, MacQueen conheceu vários personagens apaixonantes, como Mate, de quem se torna melhor amigo, o velho Doc, o juiz da cidade que esconde sua real identidade, e a bela Sally, uma “carra” Porsche por quem MacQueen se apaixona.

A arrogância do estreante paulatinamente vai cedendo lugar à generosidade e MacQueen acaba por ajudar a todos na cidade que estava abandonada desde a construção da rodovia interestadual, o que acabou por desviar o fluxo de carros da pequena Radiator.

Várias realidades extraordinárias se descortinam ao jovem carro na pequena e velha cidadezinha do interior: a amizade é experimentada por ele junto ao Mate; o amor, com a Sally; e a admiração e o respeito aos mais velhos e sábios com o Doc, que se revela como o grande Hudson Hornet, veterano carro de corrida que tinha em seu currículo três troféus da Copa Pistão - prêmio tão cobiçado por MacQueen. Em contrapartida, Doc ganha com MacQueen um frescor em sua alma rabugenta e ranzinza, fruto das decepções do passado nas pistas de corrida.

Os contrastes de duas realidades fazem a trama ainda mais instigante.
De um lado, temos a opulência do mundo das corridas que contrasta com um baita vazio existencial de uma realidade frívola, materialista e egoísta. De outro lado, temos a simplicidade material e em contraste com riqueza de valores como a amizade, o amor e a camaradagem em Radiator Springs. As duas realidades, em si contrastantes, contrastam entre si e expressam com maestria e beleza a perplexidade que nos causam as contradições humanas.

Diversão garantida para toda a família, Carros é uma excelente sugestão para o fim de semana!